contador



domingo, 11 de março de 2018

O movimento negro e a individualidade

O movimento negro e a individualidade


Cada dia vejo o movimento se perder pela individualidade. Certo dia numa reunião de amigos, um contou uma fabula que me fez refletir: eu mesmo sem leitura de causa, defendia a causa racial, então defendia pelo que ouvia de bonito; a parte linda do movimento. Se ouvia a história de Martin Luther King Jr, eu reverenciava; mais não sabia da treta entre ele e Malcolm X

 “As únicas pessoas que realmente mudaram a história foram os que mudaram o pensamento dos homens a respeito de si mesmos". Malcolm X 

Ouvia de zumbi mais ainda não tinha lido a história que não foi contada, então tinha muitas referências que não conhecia, e me engajei no movimento pela vertente do hip hop e a única história que conhecia era dos cobras verdes do bairro do laguinho. Dessa forma fui pra luta sem leitura, sem saber do que vinha pela frente. Voltando a história que ouvir, nesse momento um amigo que já era desiludido com a palavra M –O – V – I –M- E –N – T – O – N –E- G –R-O, passou a conta-me com uma fabula; a fabula do urubu e o garimpeiro:  


 - um garimpeiro passou a vida na busca de uma pedra preciosa que lhe deixaria rico, quando ele achou o diamante raro, ergueu as mãos ao céu e disse: Obrigado meu Deus!!!!
No mesmo momento, posou em suas mãos um URUBU, esse pegou a pedra e sumiu; - imagine o desespero do garimpeiro?
Ele chorou, se lamentou, e logo chegou ao seu lado um caçador, o casador perguntou – porque choras garimpeiro?
- eu achei a pedra preciosa que busquei a vida toda e quando eu encontrei passou um urubu e sumiu.
- calma pescador, vai ser fácil encontrar a sua pedra!
-como? Perguntou o garimpeiro.
Venha comigo, se dirigirão a um lixão, quando chegou lá o desespero foi maior, pois existiam milhares de urubus; novamente o caçador disse
– calma garimpeiro, o urubu que procuramos está no alto daquela árvore, como você sabe disso?
E o garimpeiro respondeu. Garimpeiro, todo negro é assim, quando ele fica rico, azeita sua vida, ele se afasta dos outros. E o caçador, pegou sua arma e deu um tiro no urubu que se encontrava no alto da árvore, quando caiu, o garimpeiro abriu sua barriga e o diamante estava lá.

Depois de ouvir essa fabula, quase brigo com o meu amigo, passamos a discutir, bebe, discutir e mesmo querendo dizer ao contrário, aquilo ficou martelando na minha cabeça e passei a prestar atenção. Me debrucei na leitura, identifiquei que o movimento negro e diversos e nesse meio como em outro qualquer, terá os bons e os ruins, os movimento e os individualistas, os afros descendentes e os afros convenientes, nesse movimento negro a questão é que os que pensam pela coletividade são sucumbidos pela ganancia e falta de caráter dos “afros convenientes”.

Isso mesmo. O movimento negro está perdendo para a individualidade, muitas lideranças do movimento negro, querem resolver o problema pessoal, manipulam eleições comunitárias, fazem projetos que são financiados pelo governo, que são do faz de conta, utilizam as comunidades como massa de manobra, alienam toda uma comunidade para ter ganho e projeção política.

Foi isso que descobrir, e tudo a partir da discussão que me fez refletir. Mais oh! No movimento negro, tem muitas lideranças que vem fazendo grande revolução, dando formação política e organização comunitária, em resumo, existe os dois lados, só temos que dizer que a individualidade não ajuda na liberdade do povo negro,

“O individualista não consegue visualizar que resolver a situação de uma coletividade ele vai está resolvendo indiretamente o sua também”.
João Ataíde

Nenhum comentário:

Postar um comentário